Ama-te Mãe!

Eu não queria que o meu filho tivesse qualquer tipo de limitação. Eu não queria que o meu filho tivesse nenhum comportamento desadequado. Eu não queria que o meu filho…. Eu não queria que…

A verdade? Eu queria que o meu filho fosse perfeito!

A vida é sábia e trouxe-me um ser que me desafia todos os dias a ser a melhor versão de mim própria. Na altura, não tinha consciência deste facto, simplesmente resistia ao que se apresentava. Então fazia muitas birras. Eu é que fazia birras, não ele!

E ele? Bem… ele não podia fazer birras, não podia questionar as minhas ordens, não podia fazer e ser …na verdade, NÃO PODIA SER ELE… E acreditem que este “não poder” não significava que eu fosse uma mãe autoritária e que em casa existissem uma série de regras inflexíveis. Nada disso. Pelo contrário, sempre fui uma mãe simpática, até um pouco permissiva… mas exercia uma pressão. Uma pressão que não estava tão relacionada com regras mas sim com a minha energia. Uma energia que se expressava através da minha linguagem não verbal. Uma energia de ansiedade. E a verdade é que as crianças sabem ler o não-dito de uma forma que nós, adultos, já nos esquecemos.

O meu filho tinha que ser igual aos outros, desse por onde desse. E esta luta (para que ele fosse o que não era) criou um afastamento entre nós.

(Se não pudesses ser tu, o que farias? Ficavas impávida e serena? Pois…)

Já alguma vez conversaste contigo (de forma verdadeira, sem filtros) sobre a causa, a origem, da relação difícil com o teu filho? Eu fi-lo, num momento de grande sofrimento, em que não tinha mais saída, e o meu diálogo interno foi este:

– Porque sofres tanto com os comportamentos do teu filho? 

– Porque … não o aceito.

– E porque não o aceitas?

– Porque … porque… (dor) ele mostra-me que não valho… na verdade … eu não me amo o suficiente para lidar com as suas limitações… fazem-me confirmar a minha crença que não sou suficiente, que não sou merecedora, que não sou igual aos outros…

– Mas tu és! O teu filho, através destes desafios, está a mostrar-te simplesmente o quão importante é cuidares de ti e amares-te. 

Foi tão doloroso confortar-me com esta realidade… mas, na verdade, percebi mais tarde, naquele momento renasci.

Confesso que para chegar a este diálogo interno, a este despertar, tive de ter ajuda. Sozinha não consegui. O medo e a culpa apoderavam-se de mim e fugia constantemente. Tive que ter apoio para perceber que dentro de mim, para além da voz da culpa e do medo, existiam outras vozes que me podiam acompanhar neste processo doloroso: o amor, a compaixão, a bondade…

No momento em que ele foi diagnosticado com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção percebi que tinha que optar por um caminho. O dilema (inconsciente) que ele me colocou foi: ou me desconecto de ti ou aprendes a amar-te sem dependeres de mim (do que eu faço, do que tenho, do que eu sou). Eu optei pela segunda. E tu?

Foi provavelmente a maior lição que o meu filho me deu até hoje, e nos momentos mais desafiantes que o meu filho me apresenta, é com este ensinamento que me conecto:

Ama-te Mãe!
Ama-te independentemente dos meus feitos
Ama-te independentemente dos meus dons
Ama-te independentemente das minhas conquistas
Ama-te independentemente do meu desempenho escolar
Ama-te Mãe!
O amor por ti não deve depender das minhas qualidades, dos meus talentos, das minhas notas, das minhas ações
O amor por ti deve ser à prova de qualquer momento desafiante que eu te possa colocar
O amor por ti não deve depender do que que possa fazer ou ter
Se não for talentoso a jogar futebol, deves amar-te na mesma
Se não tiver notas xpto, deves amar-te na mesma
Se não souber matemática como os meus colegas, deves amar-te na mesma
Se não for extrovertido como tu, deves amar-te na mesma
AMAR-TE DEVE SER A MAIOR PRIORIDADE DA TUA VIDA!
Ouves Mãe? Quero que te ames, que te escutes, que te vejas, que te acarinhes, que te cuides, que te aches merecedora!
Porque só assim podes olhar para mim a partir do amor que és
Porque só assim podes relacionar-te comigo em paz, livre das tuas feridas, das tuas crenças, …
PORQUE SÓ ASSIM PODES AMAR-ME INCONDICIONALMENTE
PORQUE SÓ ASSIM EU POSSO AMAR-ME VERDADEIRAMENTE
Ama-te Mãe!

Assinado: o teu filho

Na verdade, os nossos filhos não nasceram para nos irritar, para nos fazer sofrer. Não. Eles nasceram para nos fazer crescer, para nos reaprendermos a amar. A amar como somos, com tudo o que somos. Honremos então os nossos filhos com tudo o que são e estejamos atentas às suas lições empoderadoras.


Um exercício para ti – que te reveste neste artigo:

Retira um tempo. Está só contigo. Instala-te num lugar confortável onde possas estar descontraída mas atenta.

Fecha os olhos e leva a atenção ao teu coração … detém-te nessa zona e respira a partir desse local… Respira lenta e suavemente… Deixa que esse Amor Incondicional que existe dentro de ti se active… Se vierem pensamentos, deixa-os passar gentilmente e volta a focar a tua atenção na respiração do coração… A seguir, põe a mão no teu coração e sente os batimentos que acompanham essa respiração… O Amor por ti é o maior presente que podes dar a ti e ao teu filho… Sente esse Amor que és e que ninguém te pode tirar… Abraça-te, perdoando todas as culpas ou erros… Está contigo durante algum tempo e permite-te sentir a chama dessa intenção carinhosa para contigo mesma… Ama-te Mãe!


Ou me desconecto de ti ou aprendes a amar-te sem dependeres de mim (do que eu faço, do que eu tenho, do que eu sou). Eu optei pela segunda. E tu?

Se sentires que te posso ajudar envia-me um email para carlapatrocinio33@gmail.com.

Um abraço apertado da tua Coach Parental,

Carla Patrocínio

 

 

Mãe e se eu errar?

“Mãe e se eu errar?”.

Tinha 6 anos e esta pergunta repetiu-se, todos os dias, durante o seu 1º ano de escola primária: “Mãe, e se eu errar?”.

Tentei explicar-lhe, através de exemplos adequados à sua idade, que errar era o mais normal do mundo mas ele não ficou convencido. A pergunta continuou durante todo o ano, com muito choro à mistura, o que prova o pânico que ele sentia em relação ao erro. Mais tarde percebi: a bota não batia com a perdigota. O discurso não encaixava com o exemplo: eu tinha um medo enorme de errar. Como se errar me retirasse valor, me anulasse, me desumanizasse. Errar é o que nos torna humanos!

Na verdade, dentro de mim, existe um crítico. Costumo chamá-lo de: o homem do chicote – é tenebroso e assustador. Esse senhor traz-me inquilinos que não aprecio receber: a culpa, a vergonha, o medo, a ansiedade. No passado fazia-me contrair e duvidar de quem era. Foi preciso um longo caminho para deixar de acreditar nesse carrasco e perceber que: o erro não me define. Eu sou mais, muito mais. Assim como os meus filhos. Assim como tu. Assim como o teu filho.

Na escola que o meu filho frequenta, recebo o que eles chamam de ocorrências, um nome que serve nada mais nada menos para apontar os erros/falhas que os jovens cometem naquele dia na escola. São deste género: “perturbou a aula com comentários inadequados”, “não trouxe teste assinado”, “distraiu-se com frequência”,… Não é que não queira ser informada do que se passa mas o que observo é que qualquer coisa serve para receber uma ocorrência. Eles informam as crianças que vão enviar uma ocorrência para casa porque, lá está, cometeram um ERRO!

Este é apenas um exemplo, mas não é exclusivo daquela escola, não! O síndrome da “perfeição” infiltrou-se em todos nós. Parece que estamos obcecados em ser perfeitos e ter crianças perfeitas. Queremos tanto a harmonia e perfeição que tudo o que remeta para o erro e conflito nos assusta. Procuramos resoluções imediatas sem pensar nas consequências a longo prazo. Na verdade, o erro é uma oportunidade de crescimento. Porque nos esquecemos disto?

Segundo um relatório da Direção Geral de Saúde de 2015, as crianças portuguesas até aos 14 anos estão a consumir mais de 5 milhões de fármacos por ano.

Está na hora de acordar. Está na hora de olharmos para nós.

Que mensagem estamos a passar às nossas crianças com este tipo de exemplos?

Para usufruirmos de todo o nosso potencial temos que errar muitas vezes, não é?

Porque é que eu não recebo mensagens diárias das suas conquistas, dos seus feitos? 

Há cerca de 1 ano fiz uma promessa ao meu filho no meu facebook pessoal. 

Por isso, hoje volto, em maiúsculas, a reafirmar a promessa feita ao meu filho: FILHO, ERRA MUITO, FALHA MUITO, MAS NUNCA, EM TEMPO ALGUM, DEIXES DE TENTAR, DE IR, DE VIAJAR, DE AMAR, DE DANÇAR, DE CANTAR, DE ESTUDAR, DE FAZER O QUE QUER QUE SONHES, POR MEDO DE ERRAR. EU PROMETO: VOU ERRAR SEM HESITAR!

Desde esta promessa tenho errado muito mas, curioso, também tenho acertado muito.

Eu vou continuar este caminho de amor pela imperfeição que nos torna perfeitos, e tu?

Até que ponto te permites errar? E até que ponto permites que o teu filho erre? E como reages ao erros? Observa. Com Atenção. 

 

Se sentires que te posso ajudar, envia-me um email para carlapatrocinio33@gmail.com.

Um abraço apertado da tua Coach Parental,

Carla Patrocínio

A jovem rebelde vai fazer o quê?!

Esta semana iniciou-se um novo desafio – Terapia Familiar. Assim dito, sem contextualizar, até dá uma certa graça. Recordo-me de um episódio em que os meus pais me levaram ao consultório de um destes especialistas e de eu, uma jovem muito rebelde, ter-me escarrapachado no sofá porque tinha visto aquilo nos filmes americanos. Foi uma hora em que gozei literalmente com o prato: respostas evasivas e sem nexo, riso pateta e despropositado, atitude indomável e efusiva. O terapeuta pensou definitivamente que eu tinha uma perturbação qualquer e os meus pais saíram de lá tão envergonhados que ainda hoje me falam desse dia. Quando me recordo deste e de outros episódios menos ortodoxos da minha juventude acho curioso este caminho que agora se abre. Será que, enquanto profissional, também me irá acontecer o mesmo? Entrar-me-á pelo consultório um jovem rebelde com modos irreverentes? E como será a minha reação?

Amor será a resposta. Talvez porque já estive nesse lugar. Nesse lugar em que o comportamento – mesmo o pior que possam imaginar – não espelha o que nos vai na alma. Pelo contrário. O comportamento só diz uma coisa: preciso que me vejas, que me ouças, que me orientes, que me guies, que me reconheças, que me respeites, que me ames!

O meu filho mais velho tem 11 anos e está a entrar na adolescência. Os seus comportamentos às vezes já conseguem fazer-me tremer por dentro. Mas, em vez de ficar fora de mim, respiro. Respiro e recordo a minha adolescente.

Aquela jovem que queria ser livre.

Irreverente e inconsequente. A favor de tudo o que fosse politicamente incorreto. Gostava de chocar e de abanar. A sua presença era extasiante: corpo destravado, gestos tentaculares, voz altifalante, … A sua energia metia toda a gente a andar. Depressa e com atitude! Tudo o que fosse bonitinho, fofinho, queridinho provocava-lhe tremeliques e arrepios. A sua missão era literalmente despentear, mas despentear até ficar com nós nos cabelos, daqueles mesmo mesmo muito complicados de soltar.  O imprevisto desnorteado seduzia-lhe. Viviam todos cheios de sorrisinhos, sonhos cor-de-rosa, biquínis amarelos e lacinhos com bolinhas. Tudo isto tirava-lhe do sério e, mais, era pouco: limitava-lhe! O Mundo não podia ser isto, não, não, não, tinha que ser muito mais!

À primeira vista os adjetivos mais fáceis de a definir seriam: destravada, louca, despassarada, desorganizada, desatenta, elétrica,…. Mas no fundo deste iceberg existia mais, muito mais. Existia um ser (vá coragem!) – muito lamechas. Muito parecido com aqueles seres fofinhos e bonitinhos que aparentemente tanto abominava: de meiguice apurada, doçura enfeitiçada, humanidade exagerada.

Acham que o comportamento mostrava isto? Não, nada disso. O slogan era “comigo ninguém se mete, eu é que mando aqui, todos fazem o que quero e ponto final!”. E ai de quem!

Uma total discrepância total entre aquilo que aparentava (comportamento) e aquilo que precisava (necessidade).

E neste processo de enfiar-me na máquina do tempo, respiro, e abro o coração para o meu filho. Para este meu adolescente que está a aprender a crescer.

Este exercício de voltar ao passado ensina-me muito sobre o meu filho. Hoje voltei a ser Carla adolescente, a calçar os seus sapatos, a sentir os seus “desesperos” e foi assim que escrevi uma carta aos meus pais:

Sei que não sou a filha perfeita.
Sei que às vezes faço coisas que não devo.
Sei que salto de uma emoção para outra muito facilmente e vos deixo perdidos na melhor atitude a tomar.
Sei que às vezes é muito difícil acolherem-me porque vos afasto com os meus gritos e bateres de porta.
Sei que não é fácil aceitarem as escolhas que faço: os amigos, as roupas, as manias, …
Sei que não é fácil. Na verdade, nem para mim o é…
Quero ter espaço para ser eu mas não sei quem sou.
Quero expressar o que sinto mas não sei às vezes nem sei o que é.
Parece que sei tudo mas, na verdade, às vezes, não sei nada e sinto-me perdida.
Há uns anos era tudo tão fácil… Era isto ou era aquilo. Agora, entre isto e aquilo, há muitas áreas cinzentas e tudo fica confuso. Depois sinto coisas novas cá dentro que nunca senti…
Falam-me muito do meu futuro. Do que hei-de fazer. Que curso tirar. Que opções tomar. Que relações perpetuar.
Mas o que quero mesmo, mesmo, saber é do que se passa Agora. Agora como lido com as emoções novas que me estão a chegar?

Eu sei que não aparenta mas as vossas palavras contam, os vossos gestos contam, as vossas atitudes contam, por isso, e aqui que ninguém nos ouve, abracem-me quando gritar. O que preciso mesmo, mesmo, mesmo é de saber como lidar com as emoções novas que estão a chegar.

Este regresso ao passado traz-me informações valiosas para saber como lidar de forma calma e serena aos desafios que este meu mestre me coloca.

Desafia-te a viajares até ao sentir do teu adolescente. Talvez desvendes mais facilmente quais são as verdadeiras necessidades do teu filho. O que existe para além do seu comportamento? Opta pelo silêncio e observa. Escava e vai. 

Se sentires que te posso ajudar, envia-me um email para carlapatrocinio33@gmail.com.

Um abraço apertado da tua Coach Parental,

Carla Patrocínio

Este ano ACOLHE todas as emoções. As tuas e as do teu filho.

“Estás a chorar porquê?”, “Não chores!”, “Estás triste por causa disso?”, “Não é preciso chorar!”, “Os homens não choram!”, “Isso que estás a sentir não tem razão de ser”…

Muitos de nós crescemos a ouvir estas frases. E assim, copiando o que ouvimos dos nossos pais, as verbalizamos aos nossos filhos. E desta forma as emoções mais contrativas são reprimidas e ficam na sombra. É como que um “engolir” e enterrar bem fundo. E o que acontece a seguir? Crescemos e, porque não achamos estes sentires naturais, tentamos escondê-los a todo o custo. E é então que para os anestesiarmos surgem os: vícios – as habituais fugas (comer demais, consumir demais, beber demais,…) – para não lidar com aquilo que aparece sem aviso prévio. O mais perverso é que isto não para por aqui. Não! Estas dificuldades e todas as consequências em “meter para dentro” vão-se perpetuando de geração em geração.

Não é fácil ver um filho a chorar. Não é fácil ver um filho triste. Não é fácil ver um filho em sofrimento. Não é fácil estar em silêncio e não fazer nada. Simplesmente estar. Presente.

Eu cresci a acreditar que estar triste, que chorar, era sinónimo de inferioridade, de fraqueza. Para mim o mundo não era um lugar seguro para expressar as minhas emoções. Hoje em dia, mesmo depois de muito trabalho de desenvolvimento pessoal, continua a ser (confesso) difícil.

Durante muitos anos fugi: desse sentir. Chegava a dizer orgulhosamente que não tinha paciência para estar triste. Que esse sentimento não fazia parte do meu ADN. Mas era mentira: coloquei uma máscara.

É doloroso ver que, por vezes, o meu filho mais velho também utiliza o mesmo disfarce. Porque sei quais são as consequências desse fingir: a dificuldade em dizer que não, a vergonha em assumir o que realmente se quer, o medo de expor o que sentimos, no final … a ignorância de quem somos.

Sim é isto!  É isto que aquelas frases, aparentemente tão inofensivas, podem criar: o total desconhecimento do que sentimos e, por consequência, do que somos, do que gostamos, do que queremos. 

Só depois de um “kamikase” ter arremessado a minha vida por completo é que fui obrigada a questionar-me: quem sou eu? o que realmente estou a sentir? como posso lidar com estas emoções que me provocam este sofrimento atroz?

E se tivesse sido ensinada a conhecer-me, enquanto criança? E se eu soubesse lidar com estas emoções, enquanto criança? 

Quando o meu filho chora estar simplesmente sem fazer nada, estar só presente, atenta à necessidade que pode surgir, é um desafio. Existe uma parte de mim – a salvadora – que quer livrar o meu filho daquele sentir. Muitas vezes, no passado, mesmo tendo consciência que não era o mais construtivo, resvalava e assumia esse papel. Hoje em dia consigo fazer diferente; pelo menos já dou espaço para que essa emoção se expresse sem interferir. Mas pergunto-me: será que a mais poderosa forma de educar o meu filho nesse sentido – através do meu exemplo – está a ser realizada? A verdade é que já não fujo destas emoções mas … e conseguir expressá-la, a partir do coração? Hum… acho que ainda tenho um caminho longo a percorrer até chegar ai. Expor-me dessa forma, mostrar a minha vulnerabilidade, continua a ser um processo complicado.

Questiono-me muitas vezes: como o posso fazer?

Hoje dou um passo nesse sentido.

Ao refletir sobre as minhas intenções para 2017 decidi, como forma de “selá-las”, torná-las públicas.

Em 2017 tenho como intenção Sentir e Acolher todas as emoções. Com amor. Senti-las no meu corpo e observá-las com compaixão.  Partilhá-las, sem vergonha, a partir do coração. Ter coragem de assumir o que quero e não quero sem medo do que os outros pensam. Não vou mentir: para mim isto não é fácil, é mesmo visceral. Custa, dói, mexe com as entranhas. Sinto-me insegura quando o faço. Mas o curioso é que tenho verificado que sempre que dou este passo algo em mim RENASCE. Sinto-me mais próxima da minha essência. Tenho 2 filhos rapazes e o que mais desejo é que possam chorar sem medos nem vergonhas. PORQUE OS HOMENS TAMBÉM CHORAM!

Este ano é o meu desejo para ti: que SINTAS todas as emoções.

Aceita TODAS sem culpa, medo ou vergonha. As tuas e as do teu filho. Resiste ao impulso de fugir ou de interferir quando vires o teu filho chorar, gritar, bater a porta. Dá-lhe espaço para que a tristeza, a raiva, … possam existir na sua vida. Quando me permiti (o) sentir todas as minhas emoções, sem fugas nem subterfúgios, algo em mim se libertou (a). Quando me permiti (o) partilhá-las com os outros algo em mim se transmutou (a). E os meus filhos ganharam (am) uma mãe mais autêntica e presente.

Continua a doer mas o que é um bálsamo para a minha alma é que eu já sei como lidar com essas emoções. Não as preciso de as afugentar, nem de as agarrar. Saber como lidar com estas emoções é urgente!

Como seria o mundo se todos pudessem sentir todas as emoções sem terem que encontrar fugas para as esconder? Se todos pudessem expressar aquilo que verdadeiramente sentem sem medo de ser julgados? Se todos soubessem como lidar com as suas emoções ?

Mostrar aos nossos filhos que a tristeza é tão natural como a alegria, que chorar é tão curador como rir,  que verbalizar o que sentem não é sinónimo de fraqueza mas sim de respeito por si próprios pode prevenir uma série de problemas futuros. Mas para isto acontecer temos antes de tudo que nós, pais, saber como lidar com estas emoções.

Permites-te sentir todas as tuas emoções ou preferes fugir? 

Uma das práticas que me ajudou neste propósito foi o Mindfulness. Neste sentido criei um desafio GRATUITO – 14 dias de mindfulness para mães de crianças agitadas, hiperativas, ansiosas –  para iniciares o ano aceitando – todas – as emoções, as tuas e as do teu filho, com amor. Começa a 16 de Janeiro e vai até dia 29. Caso estejas interessada é só inscreveres-te no link que se segue:

https://carlapatrocinio.leadpages.co/14-dias-de-mindfulness-para-m-es-/

Se sentires que te posso ajudar, envia-me um email para carlapatrocinio33@gmail.com.

Um abraço apertado,

da tua Coach Parental, Carla Patrocínio

Estás disposta a abrandar ou vais continuar a lutar?

O meu bebé e os seus ensinamentos.

Foram 30 minutos para caminhar cerca de 50 metros. “Tão pouca distância em tanto tempo?!”, perguntam.

Hoje fui ver o mundo a partir dos seus olhos.

Simplesmente segui o meu Mestre. Decidi somente ir atrás dele. Observando… com ATENÇÃO…

Inicialmente, notei o meu impulso de querer apressá-lo. Não o fiz. Senti a ansiedade a chegar ao meu corpo. Comecei a pensar nos milhentos afazeres que tinha de realizar ao longo do dia. “Mas porque é que o modo “Fazer” nos invade constantemente ao ponto de não observarmos o que nos rodeia?”. 

Optei por seguir o meu Mestre. Escolhi por simplesmente segui-lo na sua caminhada. Com o mínimo de interferências possíveis.

Vi como ficou radiante com a terra. Pegava num pedaço de terra e a seguir, a rir-se, vinha dar-ma como se de um presente do céu se tratasse. Um bocadinho de terra… Alguns grãos passavam no intervalo dos seus dedinhos e aterravam no chão. Ele ficava com um ar surpreendido e feliz. “Como é que um pedaço de terra pode trazer tanta felicidade? Quando é que parámos de usufruir e de valorizar estas coisas? “. 

A seguir, decidiu fazer corta-mato. Pés na relva que, com a humidade da noite, ainda se encontrava molhada. Corria para trás e para a frente desenfreado. Por momentos, surgiu na minha mente a preocupação de que a sua roupa ficaria suja. Observei este pensamento e ri-me. Resisti ao impulso de o querer interromper na sua aventura de atenção plena.

Segui o meu Mestre.

Um barulho surgiu. Ficou alerta. Uma senhora, jardineira da Junta de Freguesia, estava a aspirar as folhas do jardim para que a via ficasse desimpedida para as caminhadas habituais. O aparelho fazia barulho. Começou a correr no seu sentido. A senhora sorriu para ele. Perguntou-lhe o nome. Ele não respondeu mas riu-se. Estava admirado com o som do aspirador. Com o efeito que provocava nas folhas. Elas voavam em direção à estrada.

A senhora desligou o aparelho e apresentou-se: “sou a Madalena, olá!”

A Madalena era simpática. Brincou com ele. Mostrou-lhe o aspirador. Enquanto comunicavam entre eles, observei a Madalena. Tinha um sorriso acolhedor, uma postura amigável e uma comunicação muito fofinha… Trocámos algumas palavras. A senhora do aspirador deixou de ser a senhora que limpava o jardim para ser a Madalena. Eu vi a Madalena! O meu Mestre…

Despedimo-nos.

Mas a volta não tinha acabado. O parque ainda tinha de ser reconhecido. O escorrega foi a tentação. Quis subir sozinho. Tive medo que caísse mas optei por Confiar. Observei a sua desenvoltura durante a subida e fiquei de boca aberta. “Mas ainda há pouco tempo não andavas?”

Escorregou. Observei o vento que lhe batia no seu rostinho, assim que descia do escorrega. “Mais”, dizia ele. Observei, simplesmente Observei.

Os meus filhos têm uma diferença de quase 10 anos. Isso leva-me a refletir sobre a diferença entre a Carla Mãe de hoje da Carla Mãe de há 10 anos. Faz-me tomar consciência de como estava ausente. De como, apesar de presente fisicamente, não estava verdadeiramente PRESENTE. De como não respeitava o seu ritmo. De como o meu medo, a minha ansiedade, condicionavam a minha presença autêntica. Hoje percebo: estava em Luta. Por uma vida perfeita.

Estava em Luta, vivia somente no futuro, e esquecia-me que se vive é: Aqui e Agora!

Hoje, mais uma vez, decidi sair do meu pedestal e colocar-me no lugar de Aprendiz. À disposição dos ensinamentos que este bebé tem para me transmitir.

E sabem quais foram?

Abranda Mãe. O teu ritmo não é o meu. Estou a descobrir o mundo! Tenho tantas coisas para conhecer! A flor amarelinha, a borboleta colorida, o cheiro da terra molhada, a textura da folha de outono,  … Tenho tanto para observar, para cheirar, para tocar, para sentir, para saborear, para ouvir. Gosto de andar devagarinho, de mudar de direção, de me desafiar, de me aventurar. Só preciso de uma coisa: que estejas ao meu lado, que acompanhes o meu passo, que estejas realmente PRESENTE, neste “trail” que é a vida. Abranda Mãe. 

Com o meu filho mais velho não consegui observar o mundo a partir dos seus olhos. Não tinha os recursos emocionais necessários para isso. Só sabia estar em luta. Já me culpei e já me perdoei. Hoje sei que fiz o melhor que podia mas também sei que há expressões, gestos, palavras suas que as fotografias e vídeos que fiz não conseguiram registar. Acho que é por isso que hoje em dia prefiro não fotografar, opto por simplesmente Observar, utilizando os meus 5 sentidos de forma plena.

E tu, estás disposta a Abrandar ou vais continuar a Lutar ? 

Começa a programar um tempinho para estares realmente com o teu filho, para observares o mundo a partir dos seus olhos. Sem telemóveis, telefones, Ipads, …E enquanto isso, observa também os teus pensamentos, emoções, sensações físicas.

É que, aqui entre nós, estás a perder coisas espetaculares!

Abranda Mãe…

Se sentires que te posso ajudar, envia-me um email para carlapatrocinio33@gmail.com.

Um abraço apertado,

da tua Coach Parental, Carla Patrocínio

 

Semanas difíceis…

Estas últimas semanas não foram fáceis. Estive triste, muito triste. O meu filho teve uma atitude que mexeu bastante comigo. Não estava à espera. Várias emoções chegaram, sem bater à porta, e levaram-me a ter reações negativas para com ele. Que foram no sentido oposto às intenções da mãe que quero ser. Que foram mais fortes do que eu. Parecia que não eram minhas, que não me pertenciam. “De onde vieram estas emoções que me fizeram reagir tão impulsivamente com o meu filho? Que me fizeram desconectar dele? De onde veio esta dor? Mas porquê? Porque é que fiquei neste estado tão alterado?”, questionei-me.

ESCOLHI observar o que se passava dentro de mim.

Mergulhei. Doía. Respirei. E fui mais fundo. E dei espaço para todas as emoções se expressarem no meu corpo. O corpo é o que nos liga ao presente. É por aqui que a procura começa. Não fugi. Não reagi. Simplesmente Respirei e Observei. Veio a angústia, a injustiça, a tristeza, a revolta, a decepção… Doía. Senti tudo no meu corpo. Simplesmente Respirei, Observei e deixei-me guiar por elas, pelas emoções.

“Qual a razão de atitudes tão irracionais? Pareço uma criança!”.

E de repente: fez-se luz. Surgiu uma memória que me adentrou pelo corpo e me abalou o coração. Uma menina. Uma menina insegura, sensível e com medo. Uma menina que só queria ser aceite e amada mas que muitas vezes não sabia como o fazer e sentia não o ser. E o meu filho, através do seu comportamento, voltou a confrontar-me com essa menina.

E assim despertei. Não era a Carla adulta que estava naquele momento a relacionar-se com o seu filho. Não. Quem estava ali era aquela menina. A minha criança.

Há dores que não sabemos de onde vêm. Há feridas que não sabemos qual a sua origem. Às vezes nem sabemos que lá estão. Bem tentamos olhar para o lado, escondê-las bem fundo, apagá-las, … São os vícios, os afazeres, as metas.

Até que. Até que um dia chegam os nossos filhos que, com os seus desafios, nos fazem voltar a olhar para a nossa criança. Para as nossas feridas de infância. E assim, se estivermos ATENTOS, observamos que, ao contrário do que pensávamos, essas feridas não estão cicatrizadas, estão bem abertas, a necessitarem de ser olhadas e cuidadas.

Todos temos dentro de nós a criança que fomos um dia. A nossa criança interior.

E naquele momento em que me zanguei com o meu filho, naquele preciso momento que fiquei fora de mim, a Carla adulta tinha desaparecido, e naquela sala, estavam presentes apenas duas crianças: a minha e a dele.  Duas crianças que simplesmente, e apesar do seu comportamento mostrar o contrário, só queriam ser aceites, respeitadas e amadas.

“O que faria a adulta nesse momento? Tinha gritado?”, indaguei-me.

NÃO.

Na verdade, muitas das nossas atitudes, ações e reações para com os nossos filhos são largamente influenciadas por essa criança que fomos e que por vezes zangada, revoltada e ferida simplesmente reage. E, apesar de muitas dessas situações terem sido resolvidas racionalmente, as emoções que sentimos nessas situações continuam a existir dentro de nós e só quando estas são olhadas, aceites e cuidadas deixam de condicionar o nosso comportamento para com os nossos filhos. Sabem aquelas birras que também nós, adultos, muitas vezes temos com os nossos filhos? Aquelas birras que, a seguir ao momento do transbordo emocional acontecer, até achamos que foram algo desporpocionadas, irracionais, infantis? Quem acham que está presente nesses momentos?

Podia ser por estar cansada, podia ser a minha “controladora” a querer ver a sua necessidade de segurança preenchida, podia ser por outros motivos mas … para ter aquela reação, para sentir aquela dor, estes motivos não bastavam. Havia algo mais. A minha criança necessitava de ser ouvida, abraçada, olhada, amada. E foi o que fiz. E é o que vou continuar a fazer.

E tu, quando reages impulsivamente e ficas fora de ti com o teu filho, quem está presente nesse momento: o teu adulto ou a tua criança interior?

Observa.

É tempo. É tempo de olhar para essa criança. Há quanto tempo não falas com ela? Dá-lhe atenção. Escuta-a. Ela precisa do teu abraço.

Estas últimas semanas foram complicadas neste caminho que é a Parentalidade Consciente mas hoje, ao reler este texto, lembrei-me que esta jornada não termina nunca (é feita diariamente, com muito amor e compaixão por todos os envolvidos), e que estes aparentes retrocessos é que me fazem ir descascando cada vez mais e mais camadas. Desta forma, vou-me conhecendo mais e mais, amando-me mais e mais. Grata meu mestre!

Se sentires que te posso ajudar, envia-me um email para carlapatrocinio33@gmail.com.

Um abraço apertado,

da tua Coach Parental, Carla Patrocínio

Mindfulness, a prática que mudou o rumo da minha vida…

Passou-me a receita para a mão. Falou-me de todos procedimentos necessários para a sua compra e dos possíveis efeitos secundários. “Ritalina”, lia-se.

Tremi.

A médica continuou a falar muito calma e segura. Deixei de ouvir qualquer som. Só senti. Senti o meu corpo a contrair e paralisar. Senti algo visceral. Senti um misto de emoções: medo, culpa, vergonha, tristeza. Medo pelo que poderia acontecer ao meu filho, culpa pelo que estava a acontecer (de certeza que eu tinha culpa de alguma coisa), vergonha pela situação (o que iriam dizer os outros?), tristeza. Ainda lhe perguntei, esperançada “mas de certeza, não há outra alternativa?”. Ela respondeu-me “eu já vi muitos casos destes e sei qual a sua evolução. Dê-lhe Ritalina!”.

Cheguei a casa e fui pesquisar à Internet. Queria saber tudo sobre aquela medicação. Já sei, não devia fazer isto. Mas era o meu filho!

A pesquisa feita deixou-me ainda mais apavorada. A medicação era um assunto polémico que dividia médicos, terapeutas, psicólogos, professores e pais. Uns a favor, outros contra. Fiquei na mesma.

Afinal quem tinha razão?

Fui então ler o folheto informativo da embalagem da medicação. Sim, porque esse documento devia ser o mais aproximado do que era na realidade aquela medicação. Não foi nada agradável. Arrependi-me seriamente. Os efeitos secundários eram aterradores. Até de morte súbita, a bula mencionava. Arrepio.

Precisava de outras respostas. Decidi então consultar outros médicos. Fui a 3 médicos diferentes, especialistas na área. Todos me asseguraram que aquela medicação era de confiança, largamente experimentada e cuja segurança era atestada por milhões de crianças a quem tinha sido administrada. Fiquei então mais descansada e pronta para dar aquele passo. Mas ainda assim, ainda assim, havia qualquer coisa que não batia certo e que me inquietava o coração: o tratamento farmacológico era seguro mas e quando não o tomasse, como saberia ele gerir as suas emoções, os seus pensamentos, o seu corpo? E a sua autoestima como ficaria quando se apercebesse que sem a medicação não saberia gerir os seus impulsos? Se calhar era melhor esperar e ver….Mas era difícil, existia o sistema de ensino, existia o meu ego. Ambos tinham dificuldade em achar esta ideia de “esperar” simpática: “Esperar? Impossível!”. A escola dizia: “queremos meninos rápidos na aprendizagem e bem comportados.” O meu ego dizia: “quero um filho que me mostre quão perfeita sou.” Qual esperar, qual quê!?

Mas o dilema instalou-se. E uma questão surgiu: e se houvesse outro tratamento que o ensinasse a lidar com os seus sintomas?

“O tratamento farmacológico é o que tem mais eficácia” foi a resposta.

Fui à procura. Sim, é verdade! É o mais eficaz. A curto prazo. Pelo menos, segundo um dos estudos de referência nesta área, o MTA (Multimodal Treatment Study). Nesse estudo realizado ao longo de várias décadas, e onde participaram aproximadamente seiscentas crianças com PHDA dos 7 aos 9 anos de idade, a maioria beneficiou da medicação no primeiro ano. No entanto, os seus efeitos diminuíram até ao terceiro ano, se não antes. As crianças que foram seguidas até aos seus 15/ 16 anos de idade e que tinham tomado medicação não registaram diferenças em relação às que tinham feito outro tipo de tratamento no que diz respeito à avaliação escolar, detenções policiais e hospitalizações psiquiátricas. Os pesquisadores deste estudo concluíram que não havia a longo prazo benefícios em tomar medicação para PHDA (Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção) e sublinharam a necessidade em desenvolver tratamentos que sejam eficazes, acessíveis e suscetíveis de funcionamento na idade adulta.

Impõe-se agora fazer uma ressalva de extrema importância: este artigo não tem como intenção julgar, condenar, demover todos aqueles que acreditam na medicação. Independentemente dos estudos, na Internet, não faltam testemunhos de pais e portadores desta perturbação a relatar experiências de sucesso com a mesma. Em muitos casos, face à forma como a sociedade está organizada, acredito que os fármacos possam ser úteis. E também não julgo que a intenção dos pais que dão essa medicação seja, como muitos dizem, “porque não têm paciência para os seus filhos”. Aliás, tenho acompanhado pais que tomaram essa opção (uma decisão sempre muito pensada) e são pessoas maravilhosas, com um coração enorme, que amam muito os seus filhos. E sinceramente, também não posso dizer que desta água não beberei.

A única reticência que tenho em relação à medicação, e é este um dos motivos pelos quais conto a minha história, é que esta, com a promessa de resultados visíveis imediatos, nos afasta de olhar para nós, enquanto sociedade e enquanto indivíduos. Por isso, na minha opinião, antes de qualquer tratamento farmacológico é urgente olharmo-nos e questionarmo-nos: “que exemplo, estamos/estou a passar?.

Porque, olhando agora para trás, se naquele momento não me tivesse colocado em causa, se não tivesse procurado por outras respostas, se não tivesse questionado o sistema, não teria tido feito descobertas maravilhosas. Não vou mentir o caminho não foi (é) fácil, houve (há) muitas encruzilhadas, curvas apertadas, lombas na estrada, mas sem dúvida foi (é) a viagem mais bela que fiz (faço) na minha vida. Uma viagem ao meu interior que me ensinou (a) a cuidar de mim, a trabalhar a minha ansiedade, impaciência, agitação, instabilidade emocional, …. No final, a amar-me mais e a amar mais o meu filho. Claro que isto teve repercussões muito positivas no meu filho.

Nunca esta frase de S. Tsabary, terapeuta familiar de renome, fez tanto sentido para mim: “uma certa criança entra na nossa vida com os seus problemas, dificuldades, teimosias e desafios temperamentais para nos ajudar a ter noção do quanto nos falta crescer“.

Acredito que a resposta para os desafios que os nossos filhos nos colocam esteja em dentro de nós e não no exterior. Agora a questão que se impõe é: será que somos capazes de Parar para olhar para nós? E este olhar de que falo não pode ser só realizado pelos pais (claro ajuda, mas não basta), tem de feito por todos, por toda a sociedade. Todos temos de Parar. Porque cada vez há mais crianças a serem diagnosticadas com esta perturbação, com ataques de ansiedade, pânico, …

“Mas isso não é possível”, dizem. “Não temos tempo”. Isto é o argumento que oiço normalmente. Não há tempo. Será? Será que não há tempo? Ou será que nós é que fazemos a escolha de não ter tempo? Falo por mim. Muitas vezes digo que não tenho tempo mas isso não é verdade. Eu tenho tempo. Eu não tenho é paciência. Eu não tenho é essa prioridade. Eu não tenho é disciplina. Eu não tenho é coragem. Mas a verdade é que tenho tempo.

Continuei à procura de respostas. Não foi um processo fácil. Sofri. Perguntei muitas vezes: “porquê a mim?”. Mas continuei. Os nossos filhos fazem-nos isto: buscar forças onde não é possível.

Surgiu então uma prática no meu caminho que mudou o rumo da minha vida e do meu filho. Essa prática chama-se Mindfulness, em português, Atenção Plena. Mindfulness, resumidamente, significa prestar atenção ao momento presente sem julgamentos. Com o Mindfulness descobri que não faz mal Parar. Parar não é perder tempo, é sim Ganhar tempo. Tempo para desfrutar de forma plena de mim, dos meus filhos, da minha família, dos meus amigos, do ambiente que me rodeia, … Com o Mindfulness descobri. Novas sensações. Novas emoções. Novos sabores. Novos cheiros. Novas texturas. Novas paisagens. Novos olhares. Com o Mindfulness descobri. A textura da gelatina. O cheiro da terra molhada. O abraço do vento no Verão. Com o Mindfulness descobri. O sinal nas costas do meu filho. O macio da barriguinha do meu bebé. A necessidade por detrás da birra. A essência por detrás do rótulo. O potencial por detrás da limitação. Com o Mindfulness descobri. Respostas mais conscientes às birras. Reações mais ponderadas às teimosias. Um espaço entre emoção e reação. Com o Mindfulness descobri. O milagre que me rodeia. O ser que sou. O amor que sou. Com o Mindfulness descobri. Que não sou só isto ou aquilo. Que não sou só divertida, expansiva, rápida, agitada. Sou muito mais. Sou sensível, humana, profunda, calma. Sou um pouco de tudo. Sou como tu. Como o outro. Como o teu filho. Não tenho limites. Sou Imensa. Com o Mindfulness descobri. Que não há culpa mas sim compaixão. Por mim e pelo meu filho. Com o Mindfulness descobri que Agora está tudo bem.

E o meu filho, através do meu exemplo, foi acalmando.

Mas não tenhamos falsas expetativas. Não é um processo rápido no sentido em que os benefícios observados são imediatos. Não! É preciso tempo, treino, disciplina, paciência. É preciso inclusive não pensar nos benefícios. Só desfrutar da prática.

Também não quero levar ninguém ao engano, eu e o meu filho não passámos a ser “Budas”. Não. Continuamos a ser agitados, rápidos, inquietos. É a nossa essência! E estou a falar no plural (eu e o meu filho) porque entretanto percebi que eu (pelas minhas reações, atitudes, energia,…) tinha uma grande quota de responsabilidade no seu diagnóstico. Talvez eu também fosse/seja hiperativa. Não sei, o certo é que eu mudei, ele mudou e a nossa relação transformou-se. Para melhor, claro. Com o Mindfulness.

Agora estamos mais atentos ao que se passa dentro de nós. Agora temos uma âncora (a respiração) que nos podemos agarrar quando sentimos que estamos a entrar numa espiral de reatividade, impulsividade,….

Eu aprendi a prestar atenção aos meus filhos sem julgamentos, aumentei a minha consciência do momento presente, reduzi as minhas reações automáticas negativas e mais importante (pelo menos para mim que era uma pessoa controladora e perfecionista) aprendi a confiar na vida, o que me levou a perder muita da ansiedade que tinha. E o meu filho. Bem, o meu filho seguiu simplesmente o meu exemplo. Educamos pelo exemplo. Esquecemo-nos tão facilmente disto, não é?

O primeiro contato com o Mindfulness não foi muito agradável. Para mim que era uma pessoa muito mental, agitada, ansiosa, parar era muito difícil, tornava-se quase angustiante. Mas segui e continuei. Pelo meu filho. Entretanto apaixonei-me. Apaixonei-me de tal forma por esta prática que tirei vários cursos na área da Educação e de Mindfulness.

Ao escrever este artigo também senti a necessidade de criar uma página dedicada ao estudo deste tema. Se quiseres obter mais informações sobre o mesmo segue o link: https://www.facebook.com/phdaemindfulness/

Os estudos já realizados (estudos que implementaram um programa com duração de 8 semanas a pais e crianças com PHDA) referem que esta prática pode ser uma intervenção útil para os pais destas crianças e para o tratamento dos sintomas desta perturbação. Esses estudos utilizaram um programa com a duração de 8 semanas e tiveram resultados, agora imaginemos que, em vez de 8 semanas, conseguimos integrar esta prática no nosso dia-a-dia e que esta passa a ser um modo de vida.

Lídia Zylowska, uma psiquiatra americana especializada em mindfulness, que liderou o primeiro estudo piloto de treino mindfulness em adolescentes e adultos com PHDA, faz algumas questões no seu livro dedicado ao estudo que gostaria que refletisses, inclusive que podes perguntar ao teu filho hiperativo:

– Se houvesse um treino mental que melhorasse a tua atenção, impulsividade, e qualidade de vida, tentarias?

– Se pudesses mudar velhos padrões e reações e criar uma nova maneira de lidar com o stress, mudando a tua vida, farias isso?

– Se pudesses ter um maior equilíbrio emocional, estarias disposto a fazer mudanças na sua forma de viver?

– Se pudesses estar mais presente para ti e para os que amas, isso inspirar-te-ia a fazer mudanças?

– Se tivesses mais controlo nos sintomas do PHDA, achas que faria diferença?

– Se pudesses ter uma apreciação positiva de quem tu és, ficarias mais feliz?

Se respondeste “sim” a alguma das questões, convido-te a experienciar esta prática.

“Mas como?”, perguntas. A mudança começa devagarinho. Só tens que fazer um bocadinho todos os dias. E na verdade, vou-te contar um segredo, não é preciso assim tanto tempo. Se não tiveres tempo, basta uma respiração consciente.

Queres experimentar?

Lanço-te então um desafio. Uma das 7 atitudes do Mindfulness é o Não-Julgamento. Adoro este princípio e tento exercitá-lo todos os dias. Eu sei que não é fácil mas gostava de te propor a prática desse princípio, AGORA. Vamos a isso?

Recolhe-te e respira. Uma respiração longa e profunda. Como seres pensantes que somos é perfeitamente natural julgarmos o que se passa connosco e à nossa volta. Julgamos o vizinho que não trata do cão, julgamos o nosso chefe porque não nos valoriza, julgamos o nosso filho porque se esqueceu de fazer os TPC´s, julgamo-nos porque gritamos com o nosso filho,… E não nos enganemos, todos julgamos. Eu julgo, tu julgas, ele julga… ponto. Então agora convido-te a dares-te conta desses julgamentos. Por exemplo, qual é o teu julgamento agora em relação a este artigo? Achas que … ou achas que…. Observa de forma curiosa o julgamento que estás a fazer. Em vez de te deixares levar por esse julgamento, experimenta simplesmente observar e reconhecer essa experiência. És simplesmente o observador. Respira.

Esta é a minha história. Existirão outras histórias, outras verdades. Esta é minha verdade, que poderá servir uns e não a outros. E está tudo bem! A minha história mostrou-me que é possível uma abordagem diferente a estas crianças. Não me parece lógico que estas crianças sejam vistas de forma isolada. Pertencem a uma família. Pertencem a uma comunidade. O Olhar tem que abranger todos. Mas como? Praticando Mindfulness. Todos!

Mas é preciso Parar!

“Não sou capaz. Não tenho tempo. Não tenho paciência”, dizes. Devagarinho. Estou aqui. Vamos juntos?

Um abraço,

Carla

NOTA: Artigo publicado na Academia de Parentalidade Consciente

Um novo olhar…

Depois de várias consultas, especialistas, despistes surge o diagnóstico: o seu filho sofre de Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção.

Seguiram-se então prescrições médicas e opiniões de amigos e família… Ritalina! Castigos! Prémios!…mas não sei… depois de tantos anos a ouvir uma panóplia de informações, já nada me fazia sentido. Na verdade, a voz da minha mente começava a enfraquecer e o que restava… o meu coração… não as entendia… Sentia-me cansada, perdida, esgotada e o que ia observando é que todos estavam demasiado focados no seu problema, no seu comportamento, nas suas limitações, nas suas falhas. De forma geral, o que fui reparando é que a maioria partia da uma crença que era a seguinte: esta criança tem um problema que precisa de ser tratado.

A partir desta minha observação e sentir, muitos “e ses” foram surgindo que me fizeram refletir: e se mudarmos o nosso foco de atenção?, e se invés de condenarmos a sua diferença, a aceitarmos a partir do amor que somos?, e se invés de procurarmos um rótulo, descobrirmos o seu potencial?, e se invés de as bloquearmos e julgarmos, criarmos rapport?, e se invés de corrigir os seus comportamentos, desvendarmos as suas necessidades?, e se invés de nos focarmos nelas individualmente, analisarmos de forma compassiva e humilde o sistema familiar que as rodeia?, e se invés de nos colocarmos no lugar do Mestre, nos posicionarmos no lugar de Aprendiz?

E se mudarmos o nosso foco de atenção, o que acontece?

Depois de vários cursos e de um longo trabalho de autoconhecimento este foi o meu desabafo em forma de conclusão:

“Quando deixei de olhar para as suas supostas falhas e olhei atentamente para o meu filho, eu vi um ser maravilhoso: bondoso, sensível, protetor… quando me libertei das minhas expectativas, eu vi o que ele precisava: Conexão! Os seus olhos diziam: Mãe abranda! Mãe olha-me nos olhos! Mãe abranda! Mãe escuta-me, abraça-me e fica comigo, só comigo… Do que precisas filho? De ti, mãe, preciso de ti só para mim. Aqui e Agora. Presente.”

O que percebi mais tarde é que ele afinal ele não tinha um problema que precisava de ser tratado, tinha sim uma necessidade que não estava a ser atendida. Eu tinha estado demasiado obcecada na minha carreira e, apesar de aparentemente ele ter tudo, não tinha o mais importante: a minha presença! A minha Presença Consciente! E o seu comportamento estava simplesmente a espelhar a minha agitação, desatenção, inquietação…

A partir daqui um novo rumo de vida começou a desenhar-se. Queria ajudar outros pais. Queria que o mundo começasse a olhar para a diferença com outros olhos. Mas como podia passar esta mensagem? Como podia mudar o seu foco de atenção?

Surgiu então a Parentalidade Consciente. Esta abordagem sistematizou e estruturou todos meus conhecimentos e, após ter acompanhado algumas famílias com crianças hiperativas, observo que possibilita de forma rápida e eficaz uma mudança no seu foco de atenção, criando uma maior paz e harmonia familiar.

Recordo um caso que me ficou no coração:

O Ruben tem 10 anos, é o mais novo de 4 irmãos e desde os 6 anos que foi diagnosticado com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção. A sua mãe, Filipa, quer ter acesso a uma abordagem diferente para lidar com o Ruben, já que está muito cansada de repetir constantemente o mesmo discurso para mudar o seu comportamento.

O principal problema prende-se essencialmente com o comportamento do Ruben, já que este tem bom desempenho escolar. Segundo a sua mãe, ele é resistente às regras, perde a paciência, zanga-se facilmente, não consegue estar sossegado, interrompe as conversas e não aceita os erros do seu comportamento.

No contexto escolar é onde surgem os maiores problemas. Na sala de aula, não consegue estar quieto e perturba constantemente com ruídos e movimentos. Socialmente não consegue fazer amigos, sendo muitas vezes agressivo. Em casa, o comportamento é mais calmo mas requer atenção quase exclusiva.

No email inicial da mãe duas informações me chamaram atenção: uma prendia-se o facto do comportamento do Ruben ser positivo em algumas disciplinas, o que se concluía que o seu comportamento não era sempre desviante. Impôs-se a questão: o que será que acontecia nas outras disciplinas que o fazia ter um comportamento diferente?

Após este meu questionamento, percebeu-se que nessas disciplinas ele era reconhecido e respeitado. Aqui houve um despertar imediato sobre a importância de satisfazer as suas necessidades e como isso pode influenciar o seu comportamento.

A outra informação que me chamou atenção foi quando a mãe disse: “ O Ruben tenta não me dececionar e é emocionante ver o esforço que faz para corresponder às minhas expectativas.” Perguntei que expectativas eram essas e, apesar de não me responder de imediato, ao longo do acompanhamento centrei-me em trabalhar este ponto. A determinada altura a mãe reportou que era uma pessoa muito racional, analítica e exigente por deformação profissional. Alcançou a custo um cargo de direção numa multinacional e, como não tinha formação académica como os seus colegas, tornou-se muito exigente e perfeccionista. Através de uma prática de mindfulness, tomou consciência que essa exigência se tinha transferido para a educação do seu filho. Percebeu que o julgava constantemente e, aos poucos, foi tomando consciência da pressão que exercia sobre este e de que forma o poderia estar a limitar. Esta tomada de consciência foi alterando o seu foco de atenção para si: que necessidades tinha?, quais as suas intenções enquanto mãe do R.?

Observava-se mais serena… mas a uma determinada altura do processo voltou a sentir-se muito frustrada pois teve uma queixa da diretora de turma em relação ao seu comportamento agressivo. Nesse momento, sentiu-se muito desapontada principalmente porque o R. lhe tinha escondido o que se tinha passado na escola. Questionei-lhe sobre a razão do R. não lhe ter contado esta situação e através da sua resposta, “ele não me conta porque o coloco de castigo no quarto e não o deixo jogar”, tomou automaticamente consciência que este método de educação estava a criar desconexão com o seu filho.

O que observei é que a mãe tinha uma necessidade muito grande de controlo e o filho uma grande necessidade de ser visto e ouvido (conexão).

No final do acompanhamento, depois de termos trabalhado no sentido de mudar o seu foco de atenção e de encontrarmos estratégias para satisfazer as necessidades de ambos, a mãe mostrou-se mais calma e atenta às necessidades do seu filho. Foi por si reportado que parte do problema do R. começava nela e nas suas expectativas que eram demasiado altas. Também mencionou que a mudança estava a ter reflexos positivos no seu filho. As suas intenções enquanto mãe do R. também mudaram ao longo do acompanhamento: de mãe controladora e perfeccionista passou a querer ser uma mãe mais compreensiva e atenta. Observou que a sua forma de abordar os comportamentos desafiantes do seu filho não estavam de acordo com as suas intenções e alterou-os: os gritos e castigos deram lugar a uma comunicação mais consciente e uma maior preocupação em estabelecer uma relação de maior respeito e conexão com o seu filho.

Este despertar e mudança no seu foco de atenção trouxeram uma maior paz familiar. Foi tão bonito de observar.

Na realidade, eu não fiz nada. Guiei simplesmente através de perguntas, sem julgamentos e com muita compaixão. Na verdade todos nós, pais, temos este conhecimento dentro de nós. O conhecimento que parte do Amor. Só precisamos de parar, respirar e confiar. Mas foi muito bonito de observar de como uma mudança de foco de atenção pode transformar uma relação.

Basta mudar o foco de atenção e o que surge é maravilhoso. E a Parentalidade Consciente permite isso. Sonho um dia que este foco se altere não só nos pais mas na sociedade em geral. O que poderíamos aprender com estas crianças?

Hoje chamo o meu filho de “Mestre”. O meu filho despertou-me para a minha agitação, para o meu controlo, para a minha necessidade de perfeição, para a minha insegurança, para a minha desatenção… Ele mostrou-me onde precisava de crescer.

Hoje em dia, quando me deparo com um comportamento mais desafiante do meu filho, respiro fundo e há 3 questões que faço:

– Que parte de mim me está a querer mostrar?

– Que necessidade sua pode estar em falta?

-O que preciso de trabalhar em mim para ter uma relação mais harmoniosa com o meu filho?

Resta referir que existem momentos que ainda me irrito, que ainda falo alto, que ainda fico sem paciência… E sabem o que faço? Respiro. Não uma respiração feita em piloto automático mas uma respiração consciente. Uma respiração que me faz regressar ao coração e perguntar: esta reação está de acordo com as intenções da mãe que quero ser? E a seguir, se a resposta for negativa, faço uma coisa que aprendi ao longo deste percurso: peço desculpa e tenho muita compaixão. Por mim e por ele. Tanto eu como o meu filho estamos a fazer o melhor que podemos com os recursos e consciência que temos.

Tu estás a fazer o melhor que podes. E o teu filho também.

Agora, imagina. Imagina como seria o relacionamento com o teu filho se mudasses o teu foco de atenção? Quem é o teu filho por detrás do rótulo? Quem é esse ser por detrás do comportamento? Do que é que ele realmente precisa? Para, Respira, Confia e Ama. Tu sabes.

Um abraço,

Carla Patrocínio

NOTA: Artigo publicado no blog da Academia da Parentalidade Consciente

A VERDADE dura e crua…

Eu era uma verdadeira guerreira! Sempre a correr de um lado para o outro à procura do melhor médico, terapeuta, especialista para ajudar o meu filho. Eu era uma verdadeira guerreira! Sempre a correr de um lado para o outro à procura da melhor escola, professora, explicadora para ajudar o meu filho. Eu era uma verdadeira guerreira! Geria a casa, a empresa, a família. Eu era uma verdadeira guerreira!

E se por um lado, ser uma verdadeira guerreira é magnífico, por outro, pode ser altamente destruidor. Porque uma verdadeira guerreira não gosta de parar. Não é esse o seu instinto! A guerreira, como o próprio nome indica, está sempre pronta para a guerra. O problema é que, no meio de tanta luta, foco e correria, se esse instinto não for bem gerido, pode acabar por matá-la e fazê-la perder a batalha final… Porque mesmo os guerreiros, antes de ser guerreiros, são pessoas com necessidades. E mesmo os guerreiros precisam de descansar para ganhar fôlego, encontrar novas estratégias, ter uma visão mais abrangente da situação… Mas eu não, não via as coisas dessa forma, se era para ser guerreira, era para ser guerreira! Parar era perder tempo. Parar?! Não fazia parte das minhas opções. E assim esta guerreira esqueceu-se de si. Cuidava de todos e não cuidava de si... E assim esta guerreira esqueceu-se de Olhar para o seu filho. Cuidava dele mas, na verdade, não o conhecia… Vivia simplesmente em piloto automático, preparada para a luta.

Quantas guerreiras existem por ai a viver assim?

Até que chegou o dia. O dia em que ele foi finalmente diagnosticado. E depois de uma série de anos, kms, horas, gastos, consultas e de um esforço quase sobre-humano para que o meu filho fosse da maneira que eu tinha inicialmente planeado, Rendi-me. Não, ele não ia ser nada daquilo que tinha sonhado, ou seja, Perfeito. Fácil, não? Escusava de andar a discutir com ele, de andar à procura de algo milagroso, de controlar, mandar, aconselhar, lutar…

Nesse dia, Rendi-me.

E foi estranho mas, quando a consulta terminou, senti algo inesperado. Uma emoção, por mim, desconhecida até então. Mais tarde, reconheci. Foi PAZ que senti. Sim, Paz. Acho que é esta a sensação que a Aceitação nos traz. PAZ. Eu tinha estado em guerra e não sabia. Uma guerra entre o meu EGO e a sua ESSÊNCIA. E quanto mais eu o pressionava para ser “aquela pessoa”, mais o seu comportamento piorava e mais a nossa relação se deteriorava.

Nesse dia, Desisti. Parei de lutar.

Larguei as armas, despi a armadura, sai do meu pedestal e decidi fazer uma coisa que há muito não fazia e que, com todos esses “procurares fora”, me tinha esquecido:  SENTAR-ME AO SEU LADO, OLHAR-LHE NOS OLHOS, ESTAR EM SILÊNCIO E SIMPLESMENTE OBSERVÁ-LO. Foi como se o tivesse a observá-lo pela primeira vez. Livre das minhas crenças, expetativas, sonhos,… E fui à procura da causa….

Não foi fácil. Não estava habituada a parar, a ouvir, a estar. Só sabia correr, controlar, ordenar, mandar,…

Mas foi finalmente nesse dia que o Aceitei e que me tornei disponível para o Amar sem condições.

A seguir surgiram certas questões que me perturbaram mas que me “obrigaram” a mergulhar dentro de mim: “mas por onde é que raio é que eu tinha andado? porque é que tinha resistido tanto? porque não o aceitara?”

E a resposta surgiu tipo flecha. Rápida, certeira, sem avisos. E doeu. EU NÃO O ACEITAVA PORQUE QUERIA SER ALGUÉM ATRAVÉS DELE. Eu queria que ele fosse aquela pessoa que eu nunca tinha conseguido ser. Eu queria que ele cumprisse os meus sonhos. Eu queria que ele me mostrasse o quão perfeita era.

Doeu. Afinal aquela responsabilidade não era dele, era minha.

E tu, será que aceitas realmente o teu filho ou queres ser alguém através dele? 

Se sentires que te posso ajudar, envia-me um email para carlapatrocinio33@gmail.com.

Um abraço apertado,

Carla Patrocínio

 

 

 

 

 

 

 

O início da viagem ao meu interior…

Não! Eu não queria olhar para dentro de mim. Não tinha paciência para essas coisas profundas. Nem paciência, nem tempo. Era trabalhar para alcançar a vida de sonho que me tinham “prometido” e que traria a felicidade e ponto. Bastava e já dava muito trabalho.

E não é que estava a conseguir! Pelo menos, o dinheirinho, o ingrediente essencial para obter o cenário idílico estava a chegar. E claro, com isso vinha tudo aquilo que nos faz, pensava eu,  ser muito felizes: jantares, viagens, roupas e alguns vícios…

Um curso, uma casa, um marido. Tudo a correr na ordem prevista para alcançar a vida ideal que me transportaria para a tão prometida felicidade.

E depois, depois veio a cereja no topo do bolo. Um filho! Não foi planeado mas assim que soube que estava grávida desejei-o de coração. O meu primeiro filho. Sempre desejei ser mãe por isso, para mim, nem houve o tal choque inicial que normalmente sucede para quem não está à espera. Assim que vi os dois risquinhos no teste de gravidez, foi SIM! SIM! SIM! E claro, era mais um passo para atingir “the perfect life”!

E 9 meses mais tarde, ele nasceu. E era um bebé lindo! Tudo o que sempre desejara! Foi amor à primeira vista! Gordinho, fofinho, bonitinho. Não podia ser mais perfeito! (esta palavra, hoje em dia, até me dá comichão). Os primeiros tempos não foram fáceis como é óbvio mas nada de invulgar se passou para abalar a promessa do objetivo inicial. Era satisfazer as suas necessidades básicas (mudar-lhe a fralda, dar-lhe de comer, brincar um bocadinho) e estava feito. Mal sabia eu da importância dos primeiros 2 anos de vida…

Os problemas começaram aparecer exatamente nessa idade. Atraso na fala. É normal. Vamos esperar. Mas a situação prolongou-se até aos seus 3 anos, somando-se outras queixas à inicial: gaguez, agitação excessiva, impulsividade, dificuldade em seguir regras,…

Decidida e despachada como era, não podia perder muito tempo com esta situação. Estava a desfocar-me do que realmente era importante: alcançar a vida perfeita. Vamos então consultar os melhores especialistas e resolver este problema o mais rápido possível.

E foi assim que iniciei um longo percurso que me levaria a recorrer a várias especialidades médicas. Era o pediatra, o pediatra do desenvolvimento, o psicólogo, o otorrinolaringologista, o oftalmologista, a terapeuta da fala. Consultas atrás de consultas para fazer despistes e encontrar o problema: será que era autista? será que era hiperativo? será que tinha algum atraso cognitivo? Será que era surdo? Será que … Ele tinha que ter algum problema! Porque ele não estava a corresponder às minhas expectativas! (Ups…)

E com esta “lufa-lufa”, o caminho que me levaria ao sonho começou a ter curvas e contracurvas, muitas encruzilhadas e labirintos… até que me perdi. Aquela situação não estava a ser resolvida no tempo que tinha suposto. Aquela história estava a arrastar-se sem nenhuma solução à vista. Aquele desafio estava a provocar-me uma grande ansiedade, tristeza, angústia,… emoções com as quais não estava habituada a lidar e que as fugas habituais não estavam a conseguir apaziguar. E o meu filho parecia cada vez pior: mais ansioso, agitado, atrasado na fala,… E a nossa relação também cada vez deteriorava mais.

Que sofrimento atroz! Eu que sempre fui “a mulher da resolução rápida dos problemas” estava completamente de rastos.

Não podia continuar assim! Mais uma vez despachada como era, fui procurar ajuda para saber como me libertar deste sofrimento. Calmantes não me atraiam por isso decidi fazer algo diferente. Hipnose, por conselho de uma amiga. Fui a algumas consultas. As mesmas tinham a duração de duas horas. Na primeira hora falava sem parar sobre como achava aquela situação injusta. Na segunda hora estava sob hipnose. Na última sessão o que se passou abalou-me profundamente e não fui mais.

Transcrevo uma parte do meu diário que descreve o início do meu olhar para dentro:

Durante a consulta foram as várias as vezes que confessei à terapeuta “porque eu não aguento mais isto!”, “porque eu não tenho paciência!”, “porque eu não mereço isto!”, “mas porquê eu?”, …. No final, desesperada, quase que exigi uma resposta à terapeuta para resolver aquele sufoco. E a sua observação foi esta: “Já viu que esteve sempre a falar de si?, não é o seu filho que tem o problema?”. Caiu-me tudo! Foi como se de repente houvesse uma expansão abrupta da minha consciência. E percebi. Não era ele que precisava de ajuda, era Eu. Eu é que não estava aguentar a pressão. Eu é que não sabia lidar com aquela dor. Era Eu, era Eu que precisava de me Olhar.

Sai de lá e nunca mais voltei. Não estava preparada para mais. Mas foi nesse dia que  comecei a questionar quem precisaria de ajuda. Se eu ou se o meu filho.

Por isso, hoje deixo-te com esta pergunta para te ajudar a lidar com o teu filho:

Será que é o teu filho que precisa de mudar ou és tu que precisas de te Olhar? 

Se sentires que te posso ajudar, envia-me um mail para carlapatrocinio33@gmail.com.

Continuação da história no próximo post, fica atento ; )

Um abraço apertado,

Carla Patrocínio